FISL6.0

Eu pretendia fazer um diário dia-a-dia do FISL6.0 mas não deu tempo. Portanto, vou tentar fazer um sumário executivo dos primeiros três dias.

Fiquei no Novotel, que é bastante agradável e tem banda-larga, de modo que eu não posso reclamar. Daqui até a PUCRS são R$ 10,00 de taxi. Daqui até o Shopping Iguatemi são uns R$ 8,00. Seria melhor se fosse mais próximo, ou se houvesse um restaurante melhor na PUCRS, mas estes foram os únicos contratempos. Eu estava preocupado com a possibilidade de fazer muito frio mas deixei a blusa no cabide o tempo todo. Parece verão.

Pois bem, o primeiro dia, quarta-feira, foi o dia de eventos e ainda não havia muita gente. Comecei assistindo a três palestras do pessoal da Sun sobre o OpenSolaris. Eu já havia lido um pouco sobre as novidades do Solaris 10, mas as palestras me deixaram impressionado. Eles falaram sobre coisas muito interessantes como o SMF (Service Management Framework) que impõe uma estrutura à gerência dos serviços do sistema, tornando obsoletos os scripts do /etc/init.d. Além disso tem zones (containers), o ZFS (que ainda não está disponível, mas que deve sair pelo final do ano), event ports, closefrom(3c), etc. Um dos paletrantes foi o Eric Schrock que mantém um blog no qual disponibilizou as apresentações.

Depois do almoço (sanduíche e suco) eu tive que optar entre o evento sobre o OOo e o YAPC::Brasil::2005. Comecei no OOo e ouvi a palestra do Roberto Salomon sobre os trabalhos de revisão da tradução da interface do OOo 2.0. Ele disse que a versão portuguesa atualmente disponível na versão beta é a da Sun. Mas eles já têm um acordo pra que na versão 2.0.1 a revisão da interface seja incorporada oficialmente. Mas foi só o que eu fiquei pra ouvir. Saí quando a Olga, do Metrô, ia começar a falar da experiência deles. Deve ter sido interessante, mas eu já conhecia a história.

O YAPC::Brasil::2005 tinha muito pouca gente. (Ao contrário das palestras promovidas pelo SouJava e pelo projeto Javali. O Bruno Souza tentou “monopolizar” o evento. :-)) Mas assisti a duas paletras do Randal Schwartz muito interessantes: a primeira sobre o módulo Class::Prototype que ele está usando na implementação do framework pra desenvolvimento web CGI::Protype, que foi o assunto da segunda palestra. O Class::Prototype parece muitíssimo interessante e permite uma forma muito interessante de introspecção nas classes de um programa Perl. Em seguida teve uma palestra sobre Perl6 do Flavio Glock, que é o líder do grupo brazil.pm. Achei-a pobre, pois ele passou rapidamente por uma listas de novidades no Perl6 mas não entrou em nenhum detalhe. O único detalhe mais interessante é que ele já foi capaz de testar todos os exemplos usando o PUGS que é uma implementação (ainda parcial) do Perl6 em Haskell. Acabei me cadastrei na lista cascavel-pm@pm.org que, segundo ele, é a mais ativa do Brasil.

No segundo dia, por uma feliz coincidência, eu me encontrei com o Russel Nelson (da OSI) no elevador. Ele está em algum quarto do meu andar. Como ele estava sozinho e eu o reconheci, acabei sugerindo que tomássemos café da manhã juntos. Conversamos rapidamente sobre vários assuntos: Ele mora no estado de Nova Iorque, perto do Canadá e é a primeira vez que viaja para o hemisfério sul. Na véspera ele tinha jantado com o pessoal da OSI numa churrascaria e gostou bastante. Contou que foi uma vez ao Sri Lanka (ou teria sido à Índia… não me lembro) pra ajudar uns caras que estavam com problemas de desempenho num site que recebia milhares de novos cadastros por dia e rodava num Pentium I com 128MB de RAM. Falamos do Tsumami. Contei da nossa migração para OpenOffice no CPqD e ele deu two thumbs up. Por fim eu fui embora pois o cara não parava de comer e eu já estava satizfeito.🙂

A primeira palestra do dia foi sobre um ferramenta para administração de servidores OpenLDAP que procura automatizar a configuração e propagação dos servidores no que se refere a ACLs. Foi apresentada pela professora Raissa Medeiros da UCB. Parece bem interessante, pra quem precisa de diretórios particionados ou replicados. Mas podendo evitar é melhor.

A segunda foi sobre a migração de uma Brigada do Exército em Santa Maria, RS, pelo Evaldo Galvão Mendonça. Foi muito interessante e eu poderia ter feito algumas coisas de modo diferente no CPqD se a tivesse visto antes. Eles foram bem além da migração para o OpenOffice.org. Já migraram inclusive para desktops Linux usando servidores LTSP (em Debian) com terminais reusados. Conversei com ele e convidei-o a fazer a apresentação no CPqD, pro qual ele se dispôs. Preciso combinar com ele a partir da semana que vem.

A terceira foi uma palestra do Sérgio Amadeu entitulada “Corsários Digitais, Estado e Monopólio de Algoritmos”. Ele fala muito bem e empolga o público. Começou contextualizando o tema com várias citações filosóficas e históricas, mostrando que a questão não é meramente tecnológica, mas também política. (Bom, ele não é político por acaso, não é?) O tema da palestra foi mostrar que a Propriedade Intelectual é uma forma de Monopólio de Idéias, o que não é original, mas nunca é demais repetir, pois muita gente entende de outra forma. Um tópico importante foi mostrar e ressaltar que “a pirataria assegura a massa crítica para viabilizar o monopólio” da Microsoft e de outros proprietários de software. Por fim, ele falou do projeto Rede Livre que vai capacitar 500 jovens em cinco capitais brasileiras, no projeto piloto, para serem prestadores de serviços de suporte e possam suportar os futuros usuários do PC Conectado. “Contra a rede corsária, Rede Livre.”

Não tive paciência pra assistir ao evento de abertura e fui almoçar. Logo depois do sanduíche eu encontrei o Alexandre Oliva no banheiro (aham) e batemos um papo rápido sobre a palestra que ele vai dar no sábado. Ele vai falar sobre “Game Theory, Competition, and Cooperation”, uma idéia que ele teve enquanto assistia ao filme A Beautiful Mind. Vai ser interessante, mas ele mesmo me disse (não sem demonstrar uma certa angústia) que ele mesmo sugeria que eu assistisse à outra palestra no mesmo horário, sobre a fundação da FSF da América Latina. Ainda não me decidi. De qualquer modo, ele se auto-convidou pra repetir a palestra daqui no CPqD Hyperlink, de modo que eu posso, assim, assistir às duas. Vou combinar com ele a partir da semana que vem.

A primeira palestra da tarde foi bem concorrida. O Eduardo Maçan falou sobre processamento de som no Linux. Explicou o conceito de MIDI, falou do histórico dos drives de som do Linux (OSS e ALSA), dos sound daemons (ESD, ARTS e JACK) e demonstrou vários efeitos com o Audacity. Foi muito engraçado, mas eu precisei sair no meio pra assistir…

…o Eric Allman falando sobre “Fried Phish and SPAM”. Ele falou sobre várias técnicas modernas para prevenção de SPAM destacando seus prós e contras. Contudo, seu ponto é que em última instância, o problema só vai mesmo ser resolvido quando o SMTP passar a ser autenticado. Só que a autenticação não pode ser baseada numa PKI, pois este é outro problema não resolvido. A melhor solução até agora é uma extensão do SMTP chamada DKIM, que está sendo desenvolvida pela CISCO e pelo YAHOO (com ajuda do Eric). Parece bem interessante, mas vai ter o mesmo problema do SPF, i.e., vai ter que “pegar” nos grandes ISPs pra que os pequenos sintam que vale à pena.

BTW, preciso dar um jeito na questão do SPAM no CPqD. Atualmente o filtro corporativo já não está me ajudando muito. Tenho recebido dezenas de SPAMs por dia que passam ilesos pelo filtro.

A palestra seguinte foi do Josh Berkus sobre as novidades do PostgreSQL 8.1. Realmente impressionante. Segundo ele, o lema do pg sempre foi “ser o melhor RDBMS livre”. Agora eles estão querendo mais e o novo lema é “ser o melhor RDBMS.”. Ele acha que podem chegar lá em dois anos…

A seguinte foi “Bridging the Divide: OpenOffice.org” do Louis Suarez-Potts. Ele falou do modelo de desenvolvimento do OOo e dos problemas que eles têm enfrentado. Basicamente, hoje é muito difícil para um desenvolvedor se envolver no projeto pela sua complexidade e não-modularidade. Eles pretendem resolver isso no OOo 3.0, mas até lá têm tentado melhorar o feedback na ferramenta de issues, instituir um mecanismo de mentoring e melhorar a documentação.

Eu bobeei, pois eu devia mesmo era ter assistido à palestra sobre a migração do ClearCase para o Postfix que foi no mesmo horário. Foi puro esquecimento. (Desculpe, Marcelo!)

No terceiro dia eu bem que tentei mas não consegui pegar o Russel Nelson no elevador.🙂

A primeira palestra do dia foi do David Hansson sobre Ruby on Rails. O cara é muito bom e a palestra foi muito interessante. Vi o Luciano Ramalho na platéia e ele também demonstrou que estava impressionado. (Será que a comunidade Zope corre o risco de perdê-lo? :-)) Na mesma hora o Randal Schwartz apresentou outra palestra sobre o futuro do software livre mas eu não consegui assisti-la.

A segunda foi do austríaco, nascido na Suíça, e atualmente morando na Argentina: Werner Almesberger. Sobre TCP Connection Passing. Trata-se de uma modificação do Linux que permite a migração de um end-point de uma conexão TCP de uma máquina para a outra. A implementação no kernel se preocupa com a captura e recuperação do estado da conexão. Mas há outros problemas que ele não resolve sozinho, como a migração dos processos e a reconfiguração da rede, mas que são problemas tratados em outros projetos. Ele fez uma demo usando várias instâncias do UML no seu desktop. Relmente impressionante. Isso abre várias possibilidades interessantes como failover de clusters de modo transparente para os clientes, software suspend, patch-reboot transparente, etc.

A seguir tivemos um longo debate sobre o futuro do software livre com 13 pessoas na mesa representando a comunidade, o governo e as empresas. Alguns pronunciamentos foram bastante interessantes.

  • O Bruno Souza falou que o Brasil deve dar um salto da situação de usuário de SL para a de desenvolvedor de SL, destacando que empresas como bancos, super-mercados e outras teriam muito a se beneficiar com a criação de cooperativas de desenvolvimento de software livre que as atendesse a todas.
  • O Cerqueira Cezar do Banco do Brasil comparou a “revolução” do modelo de desenvolvimento de software pela qual estamos passando com o surgimento do PC (na década de 80) e da Internet (na década de 90), dizendo que “quem não entender o que está acontecendo vai perder o bonde”.
  • O Cezar Taurion da IBM ressaltou que há uma grande oportunidade no desenvolvimento de software embarcado.
  • O Dilberto Petry, dos Correios, contou que no ano passado eles compraram 14000 novos micros que já vieram de fábrica com o OOo instalado. Com isso eles já conseguiram economizar R$ 8M no ano passado e esperam economizar R$ 12M este ano. Até outubro deste ano eles esperam colocar o OOo em 80% dos micros dos correios. Ele mencionou de passagem que os Correios usam o ERP da PeopleSoft que ele estão com o mesmo problema que nós no CPqD, que é a exportação de tabelas para o Excel. É engraçado porque na semana que vem eu já tinha planejado testar uma possível solução para isto usando uma ferramenta livre. Se der certo, preciso contar pra eles. A última coisa que ele disse é que a tendência de usar SL não é só dos correios brasileiros, mas dos correios de todo o mundo.
  • O prof. Imre Simon da USP citou Niels Bohr dizendo que “previsões são complicadas, especialmente as sobre o futuro”.
  • O Marcelo Branco lançou três desafios:
    • o governo deve parar de anunciar o quanto tem economizado com SL e deve passar a anunciar o quanto tem investido no desenvolvimento de SL.
    • o governo deve anunciar quanto código livre foi disponibilizado pelo governo.
    • (me esqueci).
  • O Marcelo Tosatti leu um texto sobre as razões da dificuldade de se migrar o sistema operacional. Foi um tanto fora de contexto.
  • O Roberto Batista (vulgo Peter Punk), da comunidade Slackware, deu uma bronca na comunidade dizendo que usar camiseta e mandar dúvidas pras listas de discussão é fácil. Ele quer ver mais envolvimento e desenvolvimento.
  • O Sérgio Amadeu enfatizou que o governo tem que se comprometer mais com o investimento em SL. A melhor forma pra conseguir isto seria incluir no PPA (Planejamento Pluri-Anual) um montante especificamente para isso. Foi muito aplaudido.

Eu saí antes do final pra assistir à palestra do prof. Pedro Rezende chamada “Sapos Piramidais VIII – Lições da SCO” na qual ele contou a história da querela SCO x IBM e tentou mostrar como a Microsoft deve estar envolvida e como isso se enquadra no contexto mundial atual de tendência ao fortalecimento das leis de propriedade intelectual, em particular das patentes de software.

Saí correndo pra pegar a palestra do Theodore Tso sobre sistemas de arquivos no Linux. Ele falou sobre todos—reiserfs, jfs, xfs—ressaltando seus prós e, principalmente, seus contras. Por fim, ele falou do ext3 (cria dele) e se esqueceu de falar dos contras. Mas, em contrapartida, falou bem mais dos prós.🙂 De qualquer forma, foi uma palestra muito interessante. Eu até entendi como é que funciona a implementação de snapshots no WAFL da NetApp.

A seguinte foi do David Wheeler na qual ele fez um resumo do seu excelente paper Why FOSS? Look at the numbers. O paper é ótimo e eu não vou explicá-lo aqui.

A última do dia foi “The taste of software patents in Europe”, do Suso Baleato, do FFII. Ele contou a história das patentes de software desde que foram “admitidas” nos EUA e no Japão, ressaltando a luta que a FFII e outras ONGs européias estão travando pra tentar evitar que o parlamento europeu aprove mudanças na sua legislação e passa a aceitar também eles este tipo de patentes. É realmente um assunto muito interessante e eu sugiro à todos que dêm uma olhada no site do FFII.

OK… hoje foi uma maratona. Como eu havia exagerado no café da manhã acabei me esquecendo de almoçar. Saí da PUCRS e fui ao shopping pra comprar uns mimos pros meus pimpolhos. Mas na hora de jantar eu pensei: “não dá pra voltar pra Campinas sem comer um churrasco”. Saí do shopping e fui à churrascaria Zelão. Não foi lááá essas coisas. Ela até que era sofisticada e tal, mas quando eu cheguei só tinha uma mesa ocupada. A maior parte do tempo eu era o único freguês no restaurante… tá bom, me serviram bem. Afora umas picanhas tostadas e outras sangrando, a maior parte das carnes estava muito boa.🙂

E agora eu vou dormir pra ver se agüento acordar cedo amanhã pra maratona final.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: